Home>Colunas>Sobre escrever e “Conversas com o travesseiro”
Colunas

Sobre escrever e “Conversas com o travesseiro”

Por: Silvia Pereira

Foto: Silvia Pereira

“Quem canta seus males espanta e quem escreve RE-descobre seus “eus” .
Escancara seus medos e faz a catarse”. (do livro APEB- 2015)

Em conversa informal com um amigo, dia destes, e tentando escolher o título do meu livro que será lançado dia 18 deste mês, depois de muitas sugestões e devaneios linguísticos – o título deve falar muito do exemplar – cheguei à grande conclusão. Dizia eu que minha terapia sempre foi à noite, ao me deitar e pensar, pensar. Ah, se meu travesseiro falasse! Isso mesmo.

Ele é o amigo mais sincero, nunca me decepciona. Nunca me respondeu rispidamente. Sempre amigo e acolhedor, sente as lágrimas, sem censura e na mesura diz ser tudo passageiro.

Nunca me traiu, pois assistiu a muitas cenas de amor e carinho. De amor e desamor; encontros e desencontros.
Sempre me abraçou sem cobranças e a recíproca também foi sincera. Nas noites felizes e de orgulho pela conquista, pelo dia revisto com muito a comemorar, pouco a reclamar, no pós-festas de aniversário dos filhos, sempre me ouviu com paciência.

Claro, como em toda relação, nem tudo são flores. Em muitas situações, ele me puxou as orelhas e me disse baixinho: você não deveria ter tido essa atitude! Ela poderá trazer sérias inferências! Era “batata”. Mais uma vez, ele estava certo.

Muitas vezes, ouvindo meu parceiro para todas as horas, chorei, sorri. Muitas vezes fiquei com ele sem fechar os olhos. No outro dia, ao me despedir, um até mais tarde, mais uma conversa. Pensando assim, meu novo “filho” das letras é um falar comigo mesma, com os amores construídos, feitos e desfeitos, com filhos, de mulher para mulher, construção interior e porque não dizer de sonhos e fantasias.

Daí, “Conversas com o travesseiro”, algo ousado, como disse nosso Secretário da Educação Municipal, Sr. Valdir Paixão, no último lançamento, “escrever é ousadia neste Brasil”. Mas tem muito de compensador. Espero que todos gostem e compareçam. Claro, leiam meus poemas, contos e crônicas. Tudo feito com muito carinho e dedicação.

Agradecimentos ao amigo anônimo pela ajuda e amizade, às pessoas com quem me relaciono todos os dias, amigos, família, colegas de trabalho, e, claro, ao travesseiro, inspiração maior para esta produção. Aprendo com vocês. E os amo infinitamente!

Aguardo a todos no dia 18 de maio, no Empório Cultural, Shopping Botucatu.
Até lá, queridos leitores!

Comentários

Comentários